VEM FAZER HISTÓRIA!!! SEJAM BEM VINDOS!!!.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

ESTOU VOLTANDO...



AGRADEÇO A TODOS QUE TORCERAM POR MINHA RECUPERAÇÃO. AGORA O MAIS DIFÍCIL JÁ PASSOU E ESTOU AOS POUCOS VOLTANDO, OK?! BEIJOS

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

ESTÁTUA DE CRISTO É CONSTRUÍDA NA POLÔNIA

Eis as imagens dos dois "Cristos".
O que vocês acham da polêmica que tem envolvido a construção dessa estátua na Polônia?
Há um vídeo no final do post para vocês saberem mais um pouco.


Preciso confessar algo: foi muito difícil pra mim encontrar uma imagem que me faça parecer imparcial diante das duas imagens. Procurei a mais simples do Cristo Redentor do Rio de Janeiro, e foi dificílimo! São umas imagens mais belas que as outras. Bem eu tentei... (ô coisa difícil!)
Não poderia deixar de dizer que o mundo cristão reconhece a intenção dos poloneses de fortalecimento da fé, e isso é louvável.



Rio de Janeiro - Brasil



Polônia

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR O VÍDEO




NOVA PROVA DO ENEM - "A SAGA CONTINUA..."

Desejamos desde já, sorte a todos os que passarão pela "tortura" psicológica e mental que uma prova dessas produz. E esperamos que não ocorram mais problemas!!!


Nova prova do Enem será aplicada na primeira quinzena de dezembro
Testes serão apenas para os alunos prejudicados pela impressão incorreta das provas e data exata será divulgada na quarta-feira



Os estudantes prejudicados pelos erros de impressão nas provas amarelas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) farão um novo exame na primeira quinzena de dezembro. Segundo o MInistério da Educação, a data precisa será informada até a próxima quarta-feira. Nesta quinta-feira, a Advocacia Geral da União conseguiu derrubar a liminar que determinava a reaplicação do Enem para todos os participantes que se sentissem em prejuízo por conta dos problemas ocorridos nos dias 6 e 7 de novembro.

O consórcio contratado para aplicação das provas, Cespe/Cesgranrio, continuará a analisar as 116.626 atas dos locais de prova para identificar os estudantes eventualmente prejudicados pelos erros de impressão da prova de sábado (dia 6) durante a próxima semana. Esses participantes serão informados por SMS, e-mail, telefone e carta da idenficação e terão direito ao novo teste.

Em reunião esta tarde, representantes do consórcio e do Ministério da Educação definirão a nova logística de aplicação, que não deverá alterar o calendário do Enem 2010. A divulgação dos resultados está prevista para a primeira quinzena de janeiro de 2011 e o início do processo da Seleção Unificada (Sisu) para a segunda quinzena de janeiro de 2011.

O prazo para os alunos requisitarem a correção das provas de ciências humanas e ciências da natureza de forma invertida ao que estava escrito no cartão de respostas terminou à meia-noite desta sexta 19/11.

FONTE: Último Segundo



terça-feira, 9 de novembro de 2010

ENEM - E AGORA? O QUE VAI ACONTECER?



Estamos aguardando o que virá depois desse "sucesso extraordinário", segundo o Presidente Lula, que foi o Enem realizado nos últimos dias 6 e 7 de novembro. Enquanto isso, vejamos o que está contecendo...

Justiça proíbe divulgação de gabarito do Enem
Juíza do Ceará que suspendeu o exame afirmou que todas questões relacionadas ao exame estão suspensas. Governo prepara recurso

A juíza federal Karla de Almeida Miranda decidiu não aceitar o pedido do Ministério da Educação para divulgar o gabarito do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Não pode absolutamente nada que envolva a prova. Está suspenso”, afirmou ao iG. Para ela, a liminar expedida pela Justiça Federal do Ceará que suspendia o exame nesta segunda-feira já havia deixado claro que incluia também a divulgação de gabaritos.

Pela decisão também estão suspensos o recebimento de requerimentos administrativos de qualquer aluno prejudicado ou não, seja por preenchimento do cartão resposta, providências administrativas de guarda e tratamento do material utilizado no exame, e ainda, a realização das etapas que antecederem a publicação do resultado final. A determinação da Justiça pela suspensão do exame partiu da ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal no Ceará, quando o procurador da República Oscar Costa Filho questionou a segurança do Enem. Segundo o MP, a juíza considerou importante que o gabarito não seja divulgado, porque poderá acarretar ânimos acirrados entre os candidatos eventualmente aprovados e aqueles que não obtiveram resultado positivo.

Nesta manhã, o ministro Fernando Haddad afirmou que não trabalhava com a hipótese de não poder publicar o gabarito. A divulgação das respostas das provas do fim de semana estava prevista para ocorrer às 18h desta terça-feira.

Nesta tarde, a Advocacia Geral da União anunciou que vai apresentar, até segunda-feira, um agravo de instrumento ao Tribunal Regional Federal da 5ª região, que também serve como pedido de reconsideração para a juíza. Se nenhuma das instâncias voltar atrás na suspensão do Enem, entrará com pedido de liminar direcionado ao presidente do TRF-5, para que a decisão seja suspensa. Segundo a assessoria de imprensa da Justiça Federal do Ceará, agora a decisão já deve ser tomada em outra instância.

Isonomia

Para o advogado-geral da União, Luís Inácio Lucena Adams, o princípio da isonomia com a realização de um novo Enem apenas para os alunos que foram prejudicados pelos erros de impressão na prova amarela será garantido tanto na questão educacional como constitucional. Para ele, por mais que as perguntas sejam diferentes, o que importa é que o conteúdo cobrado é o mesmo.

"O que se avalia na prova não é um conhecimento específico de uma questão, mas a formação educacional que o aluno teve ao longo da vida". afirma. "Reaplicar o Enem para todo mundo é prejudicar 3 milhões e 398 mil candidatos que não tiveram as provas erradas", acrescenta. "A fragilidade foi séria, é preciso reconhecer. Mas não podemos justificar isso com outro erro (reaplicar a prova a todos)", disse.

Lucena Adams defendeu ainda que o novo exame seja aplicado apenas aos alunos atingidos pelo problema de impressão nos cadernos amarelos, uma vez que esse é um critério objetivo. "Se todas as pessoas que se sentirem prejudicadas fizerem de novo, vamos dar uma nova chance para aqueles que acharam que foram mal no exame", diz.

O advogado-geral da União disse que não está preocupado com uma possível "judicialização" do Enem. Segundo ele, as brigas no Judiciário se tornaram um "fenômeno brasileiro" e lembrou que, ao final de qualquer concurso, multiplicam-se ações na Justiça.

FONTE: Último segundo

terça-feira, 2 de novembro de 2010

A PRIMEIRA MULHER PRESIDENTE DO BRASIL


Dilma Rousseff entra para a história do Brasil como a primeira mulher a assumir esse cargo no país. Mesmo não sendo uma maioria tão expressiva (foram cerca de 55 milhões de votos contra cerca de 43 milhões para o candidato Serra), o plebiscito teve seu fim com os números favorecendo a candidata, agora presidenta, Dilma Rousseff.

O Brasil tem marcas dolorosas e honrosas na sua trajetória histórica, política e cultural e, mais uma vez, mostra que sempre está pronto a isso: FAZER HISTÓRIA.

Com a coerência de cidadãos brasileiros que somos, vamos torcer para que Dilma Rousseff faça um governo próspero. Que a democracia e o bem comum prevaleçam. Que nossa política não assuma "cara" de um ou outro partido, mas que possa ser a junção das boas idéias e intenções em prol desse povo tão sofrido.

Povo orgulhoso de sua Pátria, mas marcado pelos "deslizes e enganos" dos que detem o poder.

E que Deus nos abençôe a todos nessa nova jornada e dê discernimento, principalmente aos que tomam as decisões. Precisamos de reformas na área de saúde, economia, segurança, tributos, trabalho, previdência, e etc, etc, etc, etc...

Foi uma campanha árdua e cansativa para os candidatos. Com ataques e defesas que deixaram o povo brasileiro em luta também. Agora, nos resta esperar, torcer, ajudar e fiscalizar.

terça-feira, 6 de julho de 2010

DICAS PARA PASSAR NO ENEM


Algumas dicas simples para aqueles que buscam se preparar e tentar passar no Enem 2010. Lembre-se: você deve adaptar as dicas para o seu ritmo próprio para obter um melhor aproveitamento nos estudos.

Organização
Cada um tem seu ritmo. Determine seu horário de estudo sem se preocupar com o horário escolhido pelo colega, procure observar os melhores horários para não haver problemas futuros.

Dedicação
Procure revisaras matérias do dia e mantenha os conteúdos em dia através de exercícios. Procure dividir seu tempo igualmente entre as disciplinas. É comum priorizar o estudo das disciplinas discursivas mas lembre-se de que o importante é fazer a diferença com outras disciplinas.

Prioridade
Torne o estudo sua prioridade. Intensifique o horário extra de estudos, em casa ou na biblioteca. É hora de desligar o computador e abandonar maus hábitos como Orkut, MSN, Jogos e lembre-se, o que está em jogo é a sua aprovação.



Recomeço
Para quem vai começar do zero. A dica é não se preocupar com as matérias que perdeu, e sim com o que será dado a partir de agora. Geralmente o conteúdo abordado no segundo semestre é o mais exigido nos vestibulares.

Revisão
Intercale a prática com leitura. Faça revisões de conteúdo através de exercícios orientados pelos professores. Agora é hora de “grudar” ainda mais neles, nunca deixa dúvidas procure sempre respostas.

Casa
Seu quarto tem que ser transformado no seu quartel general de estudos. Procure fazer alguns cartazes para lembrar-se de datas especiais, fórmulas e dicas em particular. Espalhe o material pela parede, cama, porta ou até mesmo no teto.

Finais de semana
Esse é a hora de usar seus finais de semanas para estudos. Utilize o sábado, pela manhã e a tarde, para estudar as disciplinas, sabendo distribuir as horas equilibradamente para cada disciplina. Aos domingos, estude redação e faça leituras, de preferência pela manhã. Procure ficar atualizado lendo jornais ou revistar com notícias. Utilize o resto do domingo para descansar.

Sono
Uma vida tranqüila requer uma noite de sono tranqüila. Lembre-se de que o sono é reparador e melhora a capacidade intelectual e o poder de concentração. Evite virar a noite estudando ou com outros afazeres que não dizem respeito ao seu sucesso profissional.

Passado
Refaça as provas anteriores da universidade que você vai tentar o vestibular que vão te familiarizar com o tipo de assunto que é cobrado na primeira etapa.

Informação
As informações mais visadas pela mídia podem ser abordadas nas provas, principalmente nas redações. Fique atento ao que é assunto nacional. Uma boa dica para se manter informado é a leitura de jornais e revistas como ISTO É, VEJA e jornais de sua região. A maioria das matérias utilizadas em vestibulares são retiradas dessa bibliografia e em particular nos meses de junho à setembro.

Estas dicas também podem ser seguidas para estudantes de ensino médio como 1° e 2° ano, assim eles não terão um 3° ano tão apertado e desesperado por não ter se dedicado mais nos anos anteriores.

FONTE: Enem2010.com

quinta-feira, 24 de junho de 2010

CATÁSTROFE DAS CHUVAS EM PERNAMBUCO E ALAGOAS

Não tem mais o que ser dito. O que fica é realmente o silêncio e as lágrimas de ver tanta destruição.
Não há o que acrescentar, pois as águas levaram memórias, esperanças, sobretudo, vidas... Acompanhem as notícias!!!
VEJA COMO VOCÊ PODE AJUDAR.



Em Alagoas, o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil Estadual disponibilizaram duas contas bancárias para o recebimento de depósitos às vítimas das chuvas e vários locais para o envio de materiais. Veja abaixo:

Banco do Brasil – Conta Corrente 5241-8 - Agência 3557-2
Caixa Econômica Federal – Conta Corrente 955-6 - Agência 2735 - Operação 006

Veja onde entregar donativos em:

- Maceió:

- 1º Grupamento de Bombeiros Militar (1º GBM) – Rodovia 316, km 14, Tabuleiro dos Martins, próximo a Policia Rodoviária Federal. Fones: 3315-2900 / 3315-2905.

- Grupamento de Socorros de Emergência (GSE) – Conjunto Senador Rui Palmeira, S/N, 3315-2400.

- Subgrupamento Independente Ambiental (SGIA) – Av. Dr. Antônio Gouveia, S/A, Pajuçara, próximo ao Iate Clube Pajuçara, 3315-9852.

- Quartel do Comando Geral (QCG) – Av. Siqueira Campos, S/N, Trapiche da Barra, próximo a Pecuária, 3315-2830.

- Defesa Civil Estadual (Cedec) - Rua Lanevere Machado n.º 80, Trapiche da Barra, próximo a Pecuária, 3315-2822 / 3315-2843.

- Grupamento de Salvamento Aquático (GSA) – Av. Assis Chateaubriand, S/N, Pontal, próximo a Braskem, 3315-2845.

- Interior de Alagoas:

- 2º Grupamento de Bombeiros Militar - Maragogi: (82) 3296-2026 / 3296-2270.

- 6º Grupamento de Bombeiros Militar - Penedo: (82) 3551-7622 / (82) 3551-5358.

- 7º Grupamento de Bombeiros Militar - Arapiraca e Palmeira dos Índios: (82) 3522-2377, (82) 34212695.

- 9° Grupamento de Bombeiros Militar – Santana do Ipanema e Delmiro Gouveia: (82) 3621-1491 / (82) 3621-1223.

Já em Pernambuco, já foram arrecadadas 290 toneladas de ajuda às vítimas. A Defesa Civil Estadual pede doações de alimentos não perecíveis, água mineral, colchões, lençóis, material de limpeza, produtos de higiene pessoal, roupas e sapatos infantis.

Veja os locais para a entrega de donativos em:

- Recife

Portarias do Sistema Jornal do Commercio
Rua Capitão Lima, 250 - Santo Amaro
Rua da Fundição, 257 - Santo Amaro
Loja de Serviço do JC - Rua Siqueira Campos 160 / Loja 05 - Santo Antônio

Pátio de São Pedro
Bairro de São José - Centro

Sítio Trindade
Estrada do Arraial

Prefeitura do Recife
Av. Cais do Apolo, 925, bairro do Recife

Assembleia Legislativa
Rua da Aurora

Quartel da PM no Recife
Bairro do Derby

Quartel do Corpo de Bombeiros
Av. João de Barros, 399

Instituto Federal de Pernambuco (IFPE)
Todos os campi do Instituto nas cidades de Recife, Ipojuca, Belo Jardim, Vitória, Pesqueira e Barreiros. Informações: (81) 2125-1639.

IASC
Rua Imperial, 202, bairro do Recife

Bompreço
Os donativos devem ser entregues nas lojas Hiper Bompreço de Boa Viagem, av. Recife e Casa Forte.

OAB-PE
Rua do Imperador Pedro 2º, 235 - Santo Antônio

Faculdade Maurício de Nassau
Rua Guilherme Pinto, 114 - Graças
Rua Fernandes Vieira, 110 - Boa Vista

Faculdade Joaquim Nabuco
Av. Senador Salgado Filho, S/N - Centro - Paulista - CEP: 53.401-440; Av. Guararapes, 233 - Centro - Recife

Federação Espírita de Pernambuco
Av. João Barros, 1629 - Recife, CEP 52021-180

Instituto Pró-Cidadania
Rua Castro Alves, 343 - Encruzilhada - Recife

Conselho Regional de Enfermagem
Rua Barão de São Borja, 243 Recife, 50070-310

Lojas Frutaria

Boa Viagem
Avenida Conselheiro Aguiar, n° 3621

Casa Forte
Avenida 17 de agosto, n° 125
das 7h às 20h.

Cabo de Santo Agostinho
Centros de referência em Assistência Social (Cras)
em Ponte dos Carvalhos e do Cabo

Secretaria Municipal de Programas Sociais e da Mulher
Recolhimento pode ser requisitado pelos telefones:
(81) 3521-6759 / (81) 3521-6718

Legião da Boa Vontade (LBV)
Rua dos Coelhos,219, Boa Vista. Fone:(81)3413-8600

Centros de Referência em Assistência Social de Cabo de Santo Agostinho
Avenida Israel Felipe, na Vila Roca, e na Avenida Diomedes Ferreira, em Pontes dos Carvalhos

Interior:

Sistema Jornal do Commercio de Comunicação

Caruaru
Av. José Pinheiro dos Santos, 351 - Caiucá

Pesqueira
Rádio Jornal Pesqueira - Av. F. Pessoa de Queiroz, s/n - Pesqueira

Garanhuns
Rádio Jornal Garanhuns - Av. Rui Barbosa, s/n – Heliópolis

Secretaria de Ação Social de Gravatá
Rua Francisco Bezerra de Carvalho, em Gravatá, ou em caminhões que passam pelas ruas coletando doações

Quartéis da PM e Corpo de Bombeiros

Prefeitura de Gravatá
Secretaria de Finanças, Secretaria de Saúde,
Secretaria de Ação Social e Praça da Matriz
A Secretaria de Ação Social fica na Rua Francisco Bezerra de Carvalho, Centro
(81) 3563-9057 / 3563-9037

Palmares
A Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados (ACS-PE)
Rua Amaro Bezerra nº 489 – Derby - Recife
(81) 3423-0604 / 3423-9907
Recebendo doações das 8h às 12h e das 13h às 17h

Prefeitura Municipal de Barra de Guabiraba
Recolhendo doações nos números abaixo:
(81) 8848-1144 / (81) 9144-6052
(81) 9144-6053 / (81) 3758-1145

Subseccional da OAB de Caruaru
Rua Cônego Júlio Cabral, 267, Bairro Universitário

Barreiros
Posto da Polícia Rodoviária Federal
Banco do Brasil
Agência 0710-2
Conta corrente 6070-4

Doações de outros Estados:
Moradores de outros Estados interessados em doar devem procurar as defesas civis locais e informar o destino da ajuda (Pernambuco ou Alagoas).

Outras entidades recolhendo doações
Cidade Alta Transportes em Paulista, Olinda e Recife
Os 223 ônibus de 31 linhas são pontos de arrecadação itinerantes.

FONTE: UOL Notícias - Com informações do JC Online

sábado, 12 de junho de 2010

Respostas de questionário - Colonização portuguesa; Colonização espanhola

1. Ataques dos índios, o tamanho do litoral brasileiro (imenso), estrangeiros aportando em vários locais, isolamento.

2. O comércio com o Oriente apresentava dificuldades e se não ocupasse o Brasil imediatamente, outro país iria fazê-lo.

3. 1531.

4. Martim Afonso de Souza.

5. Homens para habitar a terra, instrumentos para o trabalho, sementes para o plantio e algumas espécies de animais domésticos, além de soldados.

6. São Vicente, em 1532.

7. Carta de doação e foral.

8. Construir engenhos e fortalezas, fundar vilas e povoados, defender o litoral, aplicar a justiça, doar terras aos colonos.

9. Sesmarias.

10. São Vicente e Pernambuco.


11. Governo-geral.

12. Salvador.

13. Tomé de Sousa.

14. Duarte da Costa.

15. Mem de Sá.

16. Portugal preocupava-se em administrar suas terras: plantar, proteger, criar animais, lutar contra os corsários e submeter os indígenas. A Espanha buscava mais e mais conquistas territoriais, desejando mais e mais riquezas.

17. 1531.

18. Equador, Colômbia, Peru, Bolívia, Chile e Argentina.

19. Francisco Pizzarro.

20. Frei Bartolomeu de las Casas.

21. Criollos.

22. Cabildos.

23. Vice-reis.

24. Vice-reinos: deNova Espanha ou México, de Nova Granada, do Peru e do Prata.

25. Audiências.

26. Códices.

27. Inca.

28. Passaram a considerar sagrados simples pedaços dos ídolos ou objetos de aparência comum, que podiam ser escondidos com facilidade. Camuflaram o culto andino também através de personagens religiosas católicas, como Jesus, a Virgem Maria ou São Tomé.


Respostas de atividade - Povo hebreu; Pérsia; Grécia e Roma; Lendas gregas

1. Bíblia.

2. Moisés.

3. Canaã.

4. Abraão,Isaac e Jacó.

5. Juízes.

6. 12 tribos.

7. 1948.

8. Salomão.

9. Expulsão dos judeus de sua terra, em 136.

10. Todo bebê nascido do sexo masculino, deveria ser morto.



11. Moisés.

12. Irã.

13. Medos.

14. Líbia, Babilônia, Fenícia, Palestina, Síria, Egito.

15. Zoroastro ou Zaratustra.

16. Zend-Avesta.

17. Purim.

18. Grécia e Roma.

19. Mediterrâneo.

20. Os vencidos, os prisioneiros de guerra, os conseguidos através de roubo, os que não conseguiam pagar suas dívidas.

21. Democracia.

22. Não era um Estado orgabizado.

23. Cidades-Estado independentes.

24. Atenas, Esparta, Tebas e Corínto, Éfeso e Mileto.

25. Quando havia o perigo de um exército estrangeiro.

26. Península dos Bálcãs.

27. Península dos Bálcãs, ilhas ao seu redor, grande parte da Ásia Menor - atual Turquia.

28. Knossos.

29. Labirinto.

30. O palácio do rei Minos, em Knossos.

31. Medusa, Minotauro, A caixa de Pandora, Ícaro.......



Respostas das atividades - O reinado do café no Brasil; Imperialismo

1. Barões do café, escravos e imigrantes.

2. Barão.

3. Escravos.

4. Por que tudo era feito por eles, dentro e fora da casa-grande, nas lavouras, na cidade, etc..

5. Inglaterra.

6. Dessa forma, aumentaria o número de consumidores dos produtos industrializados.

7. Movimento abolicionista.

8. Interior de São Paulo.

9. 1847.

10. Parceria.



11. O trabalhador tinha suas despesas de viagem pagas e ao final da colheita dividia o produto.

12. (LEIS ABOLICIONISTAS - PESQUISADAS PELOS ALUNOS)

13. Itália e Alemanha.

14. São Paulo, Rio de JAneiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

15. Passaram a ser lugar de moradia e trabalho, cresceram e se embelezaram, passaram a oferecer tudo o de que necessitavam os seus habitantes, a corte - o Rio de Janeiro - podia ser comparada a cidades inglesas e francesas.

16. Estradas de ferro.

17. Pouquíssimas experiências em indústria, mas exportando um volume imenso de matérias-primas.

18. França, Alemanha, Bélgica e Estados Unidos.

19. Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica, Itália, Holanda e Estados Unidos.

20. Parecia uma reedição do tempo das descobertas no século XVI, só que os objetivos e as armas no século XIX eram diferentes.

21. Briga por novos domínios.

22. Os países dominadores tinha dinheiro, tecnologia, maquinaria, mão-de-obra especializada e o desejo de expansão política e econômica. Os outros eram países em fase de organização política e econômica ou eram Estados de organização política frágil.

23. Explorar os outros continentes em benefício da humanidade, levar os conhecimentos das ciências e das técnicas para as sociedades não-européias, a justificativa de que Deus destinou os brancos a "missão" de conquistar e dominar o mundo, e a doutrina do destino manifesto.

24. O povo dos Estados Unidos teria sido escolhido por Deus para liderar o mundo.

25. Boa posição geográfica, recusrsos naturais tentadores e excelente extensão territorial.

26. País muito dividido, várias línguas,várias religiões, vários reinos. Sociedade rigidamente dividida em castas. A base econômica era o artesanato e fabricavam tecidos de algodão de finíssima qualidade.

27. 1947.

28. Possuía uma cultura milenar, muita experiência e conhecimento.

29. Os ingleses chegaram a envolver indianos ma conquista da China.

30. Imperialismo colonial.

31. A Índia teve sua cultura desorganizada, seu espaço físco alterado e passaram fome, além de terem seu artesanato local desorganizado.

32. Japão, Rússia, Alemanha, Inglaterra e França.

33. Partido Nacional do Povo - Chiang Kai-chek. Partido Comunista Chinês - Mao Tse-tung.

34. 1949.

35. Cecil Rhodes, governador britânico na África do Sul.

36. África.

37. Congo Belga.

ATIVIDADE - Nômades; Sedentários; As línguas; A linguagem articulada; O fogo.

1. Qual a diferença entre nômades e sedentários?
R.: Nômades - Não têm moradia fixa/ Sedentários - Têm moradia fixa.

2. Enquanto os seres humanos não haviam aprendido a cultivar e a criar animais, o que faziam para se alimentar?
R.: Caçavam, pescavam e coletavam alimentos.

3. Porque, naquela época, os seres humanos eram nômades?
R.: Porque precisavam se locomover em busca de abrigo e de alimentos.

4. Havia divisão no trabalho do grupo? Como era essa divisão?
R.: O trabalho do grupo já era dividido entre homens e mulheres: os homens eram responsáveis pela caça, pesca e construção de tendas; as mulheres coletavam, preparavam os alimentos e cuidavam das crianças.


5. Que grande conquista dos grupos humanos foi, certamente, resultado de incêndios florestais?
R.: O fogo.

6. Para que servia a grande conquista da questão 5?
R.: Para cozinhar os alimentos, aquecer os abrigos no frio, iluminar e afugentar os animais ferozes.

7. A observação da antureza tornou possível uma descoberta muito importante. Que descoberta foi essa?
R.: Agricultura.

8. Por que os humanos primitivos precisaram fixar moradia?
R.: Para poder domesticar os animais, plantar e colher.

9. Atualmente ainda existem povos nômades? Cite um exemplo.
R.: Sim. Os tuaregues, na África.

10. Enquanto os seres humanos eram nômades, de que eram feitos os instrumentos que utilizavam?
R.: Pedra e ossos.

11. Como é possível, hoje, saber de que modo os bandos nômades viveram?
R.: Através de documentos antigos e dos vestígios que foram deixados por eles.

12. Dê exemplos dos documentos e vestígios que são utilizados pelos pesquisadores para estudar esse passado tão antigo.
R.: Instrumentos de pedra e de ossos, fósseis humanos e de animais, restos de alimentos e de fogueiras, pinturas rupestres, etc.

13. Por que os grupos nômades também podem ser chamados de "caçadores-coletores"?
R.: Por causa do que faziam

14. Através de qual característica importante do ser humano, nos diferenciamos dos outros animais e transmitimos pensamentos, conhecimentos, sentimentos, etc.?
R.: A linguagem.

15. Porque os seres humanos começaram a falar?
R.: Porque tiveram necessidade de dar nomes aos objetos e às ações diárias e precisavam também de maior clareza na comunicação.

16. Antes da linguagem articulada, como acontecea a comunicação entre os seres humanos?
R.: Através de gestos e sons rudimentares.

17. Há muitas línguas e entre elas, algumas são parecidas. Por que existem essas semelhanças?
R.: Essas semelhanças são explicadas pela origem em comum dessas línguas.

18. Se no Brasil são faladas mais de 180 línguas e dialetos diferentes, porque o português é a língua oficial?
R.: Porque por mais de 300 anos o Brasil foi colônia de Portugal, que impôs a sua língua sobre as demais.

19. Além da linguagem falada, os seres humanos usam outras linguagens para se comunicar? Dê exemplos.
R.: Sim. Desenho, dança, teatro, mímica, música, pintura, etc..

20. depois que os grupos humanos fixaram moradia, o que aconteceu com a caça, a pesca e a coleta de alimentos?
R.: Essas atividades não foram abandonadas, mas a dependência delas para sobrevivência do grupo diminuiu muito.

21. Que nome recebe esse período em que os seres humanos tornaram-se sedentários?
R.: Neolítico ou Idade da Pedra Polida.

22. O que aconteceu devido ao aumento da disponibilidade e da qualidade da alimentação?
R.: Resultou em aumento da população.

23. Qual a diferença das moradias nos tempos de nomadismo e as moradias dos seres humanos primitivos sedentários?
R.: As moradias dos nômades eram tendas rústicas, feitas com couro, ossos e folhas. As moradias dos seres humanos primitivos sedentários eram mais sólidas e resistentes, feitas de barro, pedra e madeira.





sábado, 8 de maio de 2010

DIA DAS MÃES - DIA?! SÓ UM?!


Essa semana eu estava no ônibus e ouvi umas adolescentes falando mal das suas mães para quem quisesse ouvir. E falavam bem alto. Não podia acreditar naquilo!!!

Estive falando para alguns dos meus alunos a quem dei aulas nesse dia, e contei o que aconteceu. Aproveitei para fazermos uma reflexão antes do início da aula propriamente dita. Finalizei nossa conversa dizendo que se a palavra AMOR tivesse seu feminino, seria, com certeza a palavra MÃE. Pode até ser que a mãe falhe ou não tenha bens materiais para oferecer ao filho, mas, sem dúvida, AMOR é o que a verdadeira MÃE é. TOTALMENTE!

Para saber mais sobre o Dia das Mães, clique na imagem abaixo:





segunda-feira, 29 de março de 2010

REVOLUÇÃO INGLESA


A Revolução Inglesa do século XVII representou a primeira manifestação de crise do sistema da época moderna, identificado com o absolutismo. O poder monárquico, severamente limitado, cedeu a maior parte de suas prerrogativas ao Parlamento e instaurou-se o regime parlamentarista que permanece até hoje. O processo começou com a Revolução Puritana de 1640 e terminou com a Revolução Gloriosa de 1688. As duas fazem parte de um mesmo processo revolucionário, daí a denominação de Revolução Inglesa do século XVII e não Revoluções Inglesas.

Esse movimento revolucionário criou as condições indispensáveis para a Revolução Industrial do século XVIII, limpando terreno para o avanço do capitalismo. Deve ser considerado a primeira revolução burguesa da história da Europa: antecipou em 150 anos a Revolução Francesa.



Surgem as condições


A Inglaterra atingiu no século XVII notável desenvolvimento, favorecido pela monarquia absolutista. Henrique VIII e Elizabeth I unificaram o país, dominaram a nobreza, afastaram a ingerência papal, criaram a igreja a nacional inglesa, confiscaram terras da Igreja Católica e passaram a disputar os domínios coloniais com os espanhóis. Tais tarefas agradaram à burguesia, mas agora o poder absolutista tornava-se incômodo, pois barrava o avanço da burguesia mercantil. Grande parte dos recursos do Estado vinham da venda de monopólios, como aqueles sobre comércio exterior, sal, sabão, alúmen, arenque e cerveja a, que beneficiavam um pequeno grupo, a burguesia financeira. E prejudicavam a burguesia comercial, sem liberdade para suas atividades, e os artesãos, que pagavam caro por alúmen e produtos indispensáveis a seu trabalho. Ao mesmo tempo, a garantia de privilégios às corporações de ofício impedia o aumento da produção industrial, pois eles limitavam a entrada de novos produtores nas áreas urbanas. Outro problema econômico estava no campo. A alta de preços e a expansão do consumo de alimentos e matérias-primas, como a lã, valorizaram as terras. Isto despertou a cobiça dos produtores rurais. Eles tentavam aumentar suas posses através dos cercamentos, isto é, tentavam transformar em propriedade privada as terras coletivas, devolutas ou sobre as quais havia uma posse precária. Tais ações expulsavam posseiros e criavam grandes propriedades, nas quais se investia capital para aumentar a produção. O Estado, para preservar o equilíbrio social necessário a sua existência, barrava os cercamentos e punha contra si dois setores poderosos: a burguesia mercantil e a nobreza progressista rural, a gentry.

No plano político, havia o conflito entre rei e Parlamento. A este, instituído pela Carta Magna de 1215, cabia o poder de direito, isto é, legítimo. Mas os Tudor exerceram o poder de fato, convocando pouco o Parlamento. As classes aí representadas não se opuseram ao absolutismo porque correspondia a seus interesses. O rei promovia desenvolvimento. No século XVII, o Parlamento pretendia transformar seu poder de direito em poder de fato. O rei correu a legitimar seu poder, que era de fato. Só havia uma forma: considerar o poder real de origem divina, como na França.

A luta política desenvolveu-se então no campo religioso e os reis manipularam a religião para aumentar seu poder. No século XVI, os Tudor haviam dado ênfase ao conteúdo do anglicanismo, isto é, seu lado calvinista, favorecendo a burguesia. Agora, os Stuart ressaltavam a forma católica do anglicanismo, identificando-se com a aristocracia, contra a burguesia. Claro, através do catolicismo era mais fácil justificar a origem divina do poder real. O Parlamento, dominado pela burguesia mercantil e a gentry, radicalizou suas posições e identificou-se com o puritanismo (forma mais radical do calvinismo), que rejeitava o anglicanismo.

A Revolução Puritana foi o resultado da luta entre burguesia e realeza pelo controle político do país.


Os Stuart e a pré-revolução


Elizabeth morreu em 1603 sem deixar herdeiros e Jaime I, rei da Escócia, assumiu o trono. Ele procurou estabelecer as prerrogativas reais implantando uma monarquia absoluta de direito divino. Perseguiu seitas radicais e até os católicos, que organizaram a Conspiração da Pólvora em 1605 (pretendiam explodir Westminster durante um discurso do rei). Os descontentes emigravam para a América do Norte.

A oposição entre rei e Parlamento ficou evidente a partir de 1610. O rei queria uma ocupação feudal na Irlanda; o Parlamento, uma colonização capitalista. Discordaram quanto aos impostos, pois o rei pretendia o monopólio sobre o comércio de tecidos, o que o tornaria independente do Parlamento financeiramente, considerando-se que já possuía rendas de suas próprias terras e de outros monopólios.

Com a morte de Jaime I em 1625, sobe ao trono seu filho Carlos I. Em 1628, guerras no exterior o obrigam a convocar um Parlamento hostil, que lhe impõe a Petição dos Direitos. Os membros da casa exigiam o controle da política financeira, controle da convocação do exército e regularidade na convocação do Parlamento, já que lhe negaram a aprovação de rendas fixas. O rei dissolveu o Parlamento, que só voltaria a reunir-se em 1640, ano da Revolução.

Carlos I apoiou-se na Câmara Estrelada, tribunal ligado ao Conselho Privado do rei. Dentre seus assessores, destacaram-se o Conde de Strafford e o arcebispo Laud, de Canterbury, responsáveis pela repressão violenta do período. Cresceu a emigração para a América. O rei passou a cobrar impostos caídos em desuso, como o Ship Money, instituído em cidades portuárias para combater a pirataria e agora estendido a todo o reino. Como a forma de enquadrar os dissidentes era a política religiosa, Carlos tentou uniformizar o reino, impondo o anglicanismo aos escoceses, calvinistas. Eles se rebelaram e invadiram o norte inglês. O rei convocou o Parlamento em abril de 1640 e o dissolveu em seguida. Em novembro, sem opções, convocou-o de novo. Foi o Longo Parlamento, pois se manteve até 1653.


O movimento de 1640

O Parlamento foi duro com o rei. Destruiu a Câmara Estrelada. Strafford foi executado em 1641 e Laud, em 1645. O rei não poderia mais ter exército permanente. O Parlamento se reuniria a cada três anos independentemente de convocação real; e conduziria a política tributária e religiosa. Acusou o rei de responsável pelo levante na Irlanda católica em 1641 e lhe dirigiu a Grande Remonstrance (repreensão). Em janeiro de 1642, o rei foi ao Parlamento e exigiu a prisão de cinco líderes oposicionistas. Houve reação violenta, sustentada nas milícias urbanas convocadas em apoio ao Parlamento.


Parlamento: estourava a guerra civil

O rei fez de Oxford seu quartel-general. Convidou o príncipe Rupert para comandar cerca de 20 000 homens do exército de cavaleiros, apoiado por aristocratas do oeste e norte, bem como burgueses inquietos com a desordem popular. Oliver Cromwell organizou em novo estilo 0 exército do Parlamento, composto sobretudo por camponeses, com apoio da burguesia londrina e da gentry: a ascensão se dava não por nascimento, mas por merecimento. Estimulou-se entre os soldados a participação em comitês que debatiam os problemas. Os cabeças redondas (porque não usavam perucas) foram decisivos na batalha final de Naseby, em 1645. Carlos I se refugiou na Escócia, foi preso e vendido pelo Parlamento escocês ao Parlamento inglês.

Criou-se novo problema: setores do Parlamento, achando oportuno o momento para um acordo vantajoso com a realeza, passaram a conspirar com o rei contra o exército. Este estava organizado e influenciado por radicais, como os niveladores, que queriam evitar a desmobilização e o não-pagamento dos salários, como pretendia o Parlamento. Aprofundou-se a diferença entre os grandes do exército e suas bases de niveladores, com projeto avançado para a época. Eles tentaram assumir o controle do exército em 1647 e o rei aproveitou para fugir de novo. O exército se reunificou, prendeu o rei e depurou o Parlamento. Foram presos 47 deputados e excluídos 96: era o Parlamento Coto (Rump). Carlos I foi decapitado em 30 de j janeiro de 1649, a Câmara dos Lordes abolida e a República proclamada em 19 de maio.


A República e Cromwell

O Parlamento sofreu nova depuração. Um Conselho de Estado, com 41 membros, passou a exercer o Poder Executivo. De fato, quem o exercia era Cromwell; ele procurou eliminar a reação realista que, com apoio escocês, tentava pôr no trono Carlos II, filho de Carlos I. Cromwell também eliminou os radicais do exército. Os líderes niveladores foram executados; os escavadores, do movimento proletário rural que pretendia tomar terras do Estado, da nobreza e do clero anglicano, foram dizimados. Liquidado o movi­mento mais democrático dentro da Revolução Inglesa, os menos favorecidos ficaram sem esperanças e aderiram a movimentos religiosos radicais, como os ranters e os seekers.

Em 1653, foi dissolvido o que restava do Longo Parlamento. Uma nova Constituição deu a Cromwell o título de Lorde Protetor. Tinha poderes tão tirânicos quanto os da monarquia. Ofereceram-lhe a coroa, mas ele recusou: já era um soberano e podia até fazer o sucessor. Para com­bater os rivais holandeses e fortalecer o comércio exterior inglês, baixou o Ato de Navegação. As mercadorias inglesas somente podiam entrar em portos ingleses em navios ingleses ou em navios de seus países de origem. Cromwell governou com rigidez e intolerância, impondo suas idéias puritanas. O filho Richard Cromwell o substituiu após sua morte em 165 8 e, pouco firme, foi facilmente deposto em 1659.

A Restauração e a Gloriosa

Com apoio do general Monk, comandante das tropas da Escócia, o Parlamento-Convenção pro­clamou Carlos II rei em 1660. Com poderes limitados, ele se aproximou de Luís XIV da França, tornando-se suspeito para o Parlamento. Uma onda contra-revolucionária sobreveio, favorecida por um Parlamento de Cavaleiros, composto por nobres realistas e anglicanos em sua maioria. O corpo de Cromwell foi desenterrado e pendurado na forca. O poeta Milton foi julgado e condenado. Carlos II baixou novos atos de navegação em favor do comércio inglês. Sua ligação com Luís XIV levou-o a envolver-se na Guerra da Holanda. O Parlamento baixou então, em 1673, a Lei do Teste, pela qual todos os que exercessem função pública deveriam professar seu antianglicanismo. Surgiram dois partidos: os whigs, contra o rei e pró-Parlamento; os tories, defensores das prerrogativas reais.

Jaime II, irmão de Carlos II, subiu ao trono mesmo sendo católico. Buscou restaurar o absolutismo e o catolicismo, punindo os revoltosos, aos quais negava o habeas-corpus. Indicou católicos para funções importantes. Em 1688, o Parlamento convocou Maria Stuart, filha de Jaime II e mulher de Guilherme de Orange, governador das Províncias Unidas, para ocupar o trono. Foi um movimento pacífico. Jaime II refugiou-se na França e um novo Parlamento proclamou Guilherme e Maria rei e rainha da Inglaterra.

Os novos soberanos tiveram de aceitar a Declaração dos Direitos, baixada em 1689, que decretava: o rei não podia cancelar leis parlamentares e o Parlamento poderia dar o trono a quem lhe aprouvesse após a morte do rei; haveria reuniões parlamentares e eleições regulares; o Parlamento votaria o orçamento anual; inspetores controlariam as contas reais; católicos foram afastados da sucessão; a manutenção de um exército em tempo de paz foi considerada ilegal.

Os ministros passaram a tomar as decisões, sob autoridade do lorde tesoureiro. Funcionários passaram a dirigir o Tesouro e, em época de guerra, orientavam a política interna e externa. Em 1694, formou-se o tripé fundamental para o desenvolvimento do país, com a criação do Banco da Inglaterra: o Parlamento, o Tesouro e o Banco.

Abriam-se as condições para o avanço econômico que resultaria na Revolução Industrial. De um lado, uma revolução na agricultura através dos cercamentos que beneficiou a gentry. De outro, a expansão comercial e marítima garantida pelos Atos de Navegação, que atendiam aos interesses da burguesia mercantil. Assim se fez a Revolução Gloriosa, que assinalou a ascensão da burguesia ao controle total do Estado.

Bibliografia:

História e Sociedade - Rubem Aquino
História Geral - José Jobson Arruda

© Copyleft LCC Publicações Eletrônicas - Todo o conteúdo desta página pode ser distribuído exclusivamente para fins não comerciais desde que mantida a citação do Autor e da fonte e esta nota seja incluída.

FONTE DO TEXTO: Cultura Brasileira (culturabrasil)


MUMIFICAÇÃO NO ANTIGO EGITO - EMBALSAMAMENTO

Mumificação

O primeiro passo da mumificação era remover os órgãos internos através de um corte no lado. O coração – reconhecido como o centro da inteligência e força da vida – era mantido no lugar mas o cérebro era retirado através do nariz e jogado fora. Os órgãos remanescentes eram armazenados em jarras de canopo.
Em seguida, o corpo era empacotado e coberto com natro, um tipo de sal, e largado para desidratar durante 40 dias. Então era empacotado com linho ensopado de resina, natro e aromáticos e as cavidades do corpo eram tapadas. Finalmente, ele era coberto de resina e enfaixado, com os padres colocando amuletos entre as camadas. Todo o processo – acompanhado de orações e encantos – levava cerca de 70 dias mas preservava os corpos durante milhares de anos.


DADO CURIOSO
Egípcios comuns não eram mumificados, mas enterrados em sepulturas, onde as condições do deserto quente e seco mumificavam os corpos naturalmente.

Saiba mais detalhes e veja as imagens...




Preparação do corpo

I. O ambiente era aromatizado com incensos.

II. Partes internas do corpo, inclusive o cérebro eram removidas. O coração permanecia no corpo porque deveria ser pesado por Anúbis, deus da morte.

III. Um sacerdote comandava o ritual da mumificação com a máscara de Anúbis no rosto.

IV. O corpo era lavado com vinho da palma e coberto com sal.

V. Após 40 dias, os sacerdotes passavam óleos perfumados sobre a pele e introduziam, no corpo do morto, ervas cheirosas que ajudavam a evitar a decomposição.

VI. O fígado, o pulmão, o estômago e o intestino eram colocados em pequenos jarros que funcionavam como pequenos caixões. Os órgãos acompanhavam o morto na viagem pós-morte.

VII. Os sacerdotes enrolavam o corpo com bandagens embebidas em resina.

VIII. Colocavam amuletos perto do corpo porque eles trariam sorte no mundo pós-morte.

IX. Depois de enfaixada, a múmia era colocada dentro do sarcófago.

X. Na tumba dos faraós eram colocadas comida, bebida e jóias.

XI. A tumba de Tutankhamon, por exemplo, contém jarros de vinho e comida. Ao lado do faraó, assim como sua mulher, foram enterrados músicos.




Acompanhe com as figuras...

Embalsamando o corpo

1ª parte


Primeiro, o corpo era levado para um local conhecido como 'ibu' ou o 'lugar da purificação'. Lá os embalsamadores lavavam o corpo com essências aromáticas, e com água do Nilo.

2ª parte



Um dos embalsamadores fazia um corte no lado esquerdo do corpo do embalsamado e removia os órgãos internos. Isso era importante porque essas partes do corpo são as primeiras a entrar em decomposição.

O coração – reconhecido como o centro da inteligência e força da vida – era mantido no lugar mas o cérebro era retirado através do nariz e jogado fora. – No passado, os órgãos internos eram armazenados em jarras canópicas.



Em seguida, o corpo era empacotado e coberto com natro, um tipo de sal, e largado para desidratar durante 40 dias. Após esse período era empacotado com linho ensopado de resina, natro e essências aromáticas e as cavidades do corpo eram tampadas. Finalmente, ele era coberto de resina e enfaixado, com os sacerdotes colocando amuletos entre as camadas. Todo o processo – acompanhado de orações e encantamentos – levava cerca de 70 dias mas preservava os corpos durante milhares de anos.



Uma haste comprida em forma de anzol era usada para fisgar o cérebro e puxá-lo através do nariz.


3ª parte



O corpo era empacotado e coberto com natro, um tipo de sal, e largado para
desidratar durante 40 dias. Os órgãos remanescentes eram armazenados
em jarras canópicas, para serem sepultados junto com a múmia.

4ª parte



Após 40 dias o corpo era lavado com água do Nilo. Depois era coberto com óleos aromáticos para manter a pele elástica.

5ª parte



Os órgãos internos desidratados eram enrolados em linho e recolocados na múmia. O corpo também era recoberto com serragem e folhas secas.



6ª parte

~ Os deuses dos órgãos das múmias ~

No passado, os órgãos internos retirados das múmias eram armazenados em jarras canópicas.

Muitos anos depois a prática de embalsamamento foi mudada e os embalsamadores começaram a recolocar os órgãos no corpo do falecido após terem sido desidratados em natro.



(Confira as imagens acima)
Imsety - o deus com cabeça de humano velava pelo fígado.
Hapy - o deus com cabeça de babuíno guardava os pulmões.
Duamutef - o deus com cabeça de chacal tomava conta do estomago.
Qebehsenuef - o deus com cabeça de falcão vigiava os intestinos.


ESSA É A DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE EMBALSAMAMENTO DO CORPO. O ENROLAMENTO DA MÚMIA, JÁ É OUTRO RITUAL... NUM PRÓXIMO POST, OK?!

FONTES:
Kliqueducação
Discovery Channel Brasil
Starnews 2001


PESSACH - FESTA DA PÁSCOA JUDAICA

Chag Pessach Sameach!
por Majô Levenstein

O cumprimento acima, em hebraico, quer dizer Feliz Pessach, e é dito durante uma das festas judaicas mais importantes, que acontece na noite desta segunda-feira (dia 29)


Prato para o serviço de Seder do Pessach, com Betzá, Maror, Zeroá, Charoset, Matza e Karpás


O Pessach - a festa da Páscoa judaica - é comemorado por sete dias. Ele tem início com uma cerimônia na noite do 15º dia do mês de Nisan (o primeiro mês do calendário judaico, que neste ano será ao entardecer desta segunda-feira, dia 29 de março). Em todo o mundo, as famílias judaicas reúnem-se para o Seder do Pessach, ceia ritual em que relembram a libertação dos hebreus, depois de um longo período de cativeiro no Egito, há mais de 34 séculos. Assim, o sentido da cerimônia é o de louvar a libertação.

O seder é dividido em 15 partes, iniciando-se com orações e um gole de vinho. A criança mais nova da família inicia o ritual com quatro perguntas em forma de canto sobre o sentido das cerimônias e a saída dos judeus do Egito. Passa-se então às leituras da Hagadá, livro que conta a história da libertação do povo hebreu, escravizado no Egito. Por essa leitura procura-se ensinar às futuras gerações por que aquela noite não é como as outras.

O pão que se come durante a noite, no chamado Seder de Pessach, e nos demais sete dias subsequentes, é o pão ázimo (sem fermento), denominado Matza. Esse alimento simboliza o êxodo dos hebreus que, na pressa de deixar o Egito, não podiam esperar que o pão fermentasse. Aliás, durante esses oito dias, os judeus não devem comer nada que tenha fermento. São os chamados chametz, alimentos que contenham grãos como trigo, cevada, espelta, aveia e centeio, que fermentam em contato com água. Também faz parte da tradição do Seder comer ovos cozidos (Betzá), símbolo da vida eterna; raiz forte e folhas amargas (Maror), que lembram as amarguras da escravidão; um purê de maçãs ou tâmaras (Charoset), que representa a argamassa utilizada pelos escravos nas construções das pirâmides do Egito, a pata dianteira de uma ave ou de um cordeiro, que representa o cordeiro pascal (Zeroá), e o Karpás, que consiste em mergulhar um pedaço de salsão ou aipo em uma vasilha com água e sal, para lembrar o sofrimento do povo hebreu no Egito.

No Pessach são as crianças que conduzem a festa. Cabe a elas abrir a porta para a visita do profeta Elias que, segundo a tradição, vai a todos os lares nesta noite para trazer suas bênçãos. As crianças demonstram, abrindo as portas, a segurança de estarem sob a proteção de Deus. São elas também que participam da busca do afikoman, um pedaço de matsá que os mais velhos escondem pela casa.




Os crocantes e saborosíssimos Choco Matzot, do Chocolat du Jour


Cesta de Pessach, com suco de uva kosher, biscoitos e bolo sem fermento (não permitido para a época), entre outras guloseimas, da Casa Santa Luzia
Segundo dados do IBGE, São Paulo possui a maior colônia judaica do Brasil. Assim, é natural que certas guloseimas de Pessach ocupem prateleiras de supermercados, dividindo espaço com os ovos da Páscoa cristã.


FONTE: MSN


sábado, 27 de março de 2010

FINALMENTE! OS CULPADOS PELA MORTE DA MENINA ISABELLA NARDONI FORAM CONDENADOS!



Nesta 2a feira, 29 de março de 2010, completa 2 anos da morte da Isabella Nardoni. A garotinha tinha 5 anos de idade. Na época da sua morte, o blog Vem Fazer História, postou sobre o caso e não dava pra ficar em silêncio agora. Marcou a história...
Não apenas por ser mâe (apenas?!?!), mas por também ser cidadã, pessoa, humana, senti-me indignada com a capacidade de alguns ditos seres "humanos", praticarem um ato assim. Não foi o primeiro e , infelizmente, não será o último, mas é bom saber que, a justiça pode funcionar. É como "uma luz no fim do túnel"...


Parabéns ao Promotor de Justiça Francisco Cembranelli, pela atuação impecável desde o início de todo o processo.

A sentença do casal assassino saiu no início da madrugada (27). O julgamento começou no dia 22 (aniversário da minha filha) e teve seu fechamento quando o Tribunal do Júri do Fórum de Santana, na zona norte de São Paulo condenou Alexandre Nardoni, 31, e Anna Carolina Jatobá, 26, pelo assassinato de Isabella Nardoni, morta ao ser atirada pela janela do 6º andar do apartamento onde vivia com o pai e a madrasta. No total, Alexandre Nardoni foi condenado a 31 anos, 1 mês e dez dias de prisão e Ana Carolina Jatobá a 26 anos e oito meses.
A decisão foi tomada pelos jurados – quatro mulheres e três homens. O casal Nardoni vai cumprir a sentença em regime fechado.


Nem vale à pena colocar as fotos deles aqui...



terça-feira, 16 de março de 2010

NÓS MATAMOS OS NEANDERTAIS?

Esse conteúdo me foi enviado pela anula Maria Eduarda, do 7º ano B, e eu achei bem interessante compartilhar com vocês.

A costela fraturada de um homem de Neandertal, uma espécie humana extinta, leva um cientista à conclusão de que o assassino era de nossa espécie

Peter Moon

É o assassinato sem solução mais antigo da história. Ou melhor, da pré-história. O crime ocorreu há 50 mil anos. Imagine um grupo de cinco caçadores, vestidos com peles de animais e armados com facas, lanças e lançadores de dardos com afiadas pontas de pedra polida. Eles estavam no encalço de um rebanho de antílopes. Não eram os únicos. Quem também espreitava o rebanho era um bando de neandertais, armados com pesadas lanças com pontas de pedra lascada. Quando os dois bandos se encontraram, o confronto foi inevitável – assim como seu resultado.




LUTA DESIGUAL
Churchill (acima), com uma lançadeira de dardos humana e a lança de um neandertal. A superioridade bélica de nossos ancestrais teria ajudado a extinguir os primos grandalhões (abaixo, numa reconstituição facial)


Jamais saberemos se aquele embate ocorreu como descrito acima ou se tudo se resumiu ao duelo mortal entre dois indivíduos das duas espécies mais inteligentes que habitaram o planeta. De um lado, estavam nossos ancestrais, os caçadores da espécie Homo sapiens. Eles haviam acabado de sair da África. Dotados de armas sofisticadas, em pouco tempo dominariam todos os continentes. Seu oponente era nosso primo mais próximo, o homem de Neandertal, uma espécie humana maior, mais atarracada e mais antiga que a nossa, que habitou a Europa e partes da Ásia entre 230 mil anos e 20 mil anos atrás. A única evidência de que houve um confronto entre humanos e neandertais há 50 mil anos está em uma fratura na nona costela esquerda do esqueleto de um neandertal chamado Shanidar 3. Ele é um dos nove indivíduos achados, entre 1953e 1960, na caverna Shanidar, nos Montes Zagros, norte do Iraque.

Desde sua descoberta, aquele neandertal de 1,67 metro de altura é alvo de controvérsia. Como Shanidar 3 fraturou a costela? A corrente dominante da antropologia diz que o ferimento foi causado por uma queda ou pelo choque com um animal selvagem. Uma minoria vê na fratura a marca de um Homo sapiens violento. Shanidar 3 teria sido uma de suas primeiras vítimas. “A maioria dos antropólogos ainda parece estar influenciada pelo mito do bom selvagem”, diz o antropólogo americano Steven Churchill, da Universidade Duke, nos Estados Unidos. Tal mito foi criado pelo filósofo francês Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) no Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens (1755), em que afirma que a espécie humana, em sua origem, era boa e pacífica. “Os chimpanzés, nossos primos vivos mais próximos, são muito violentos”, disse Churchill a ÉPOCA. “Muitos antropólogos não querem imaginar a humanidade com um passado violento. Não é o meu caso.”
Churchill estuda o desenvolvimento de tecnologias de caça entre caçadores-coletores. Em 2003, resolveu estudar a fratura de Shanidar 3. Já se sabia que o neandertal não havia morrido imediatamente após o ferimento. Qualquer que tenha sido a origem da fratura, ela tinha começado a calcificar quando Shanidar 3 morreu – aos 42 anos, segundo a análise de sua arcada dentária.

Dado o estágio de calcificação da costela, depois de ser ferido Shanidar 3 sobreviveu por duas semanas, afirma Churchill no trabalho publicado no Journal of Human Evolution. Ele chegou a essa conclusão ao comparar a fratura de Shanidar 3 com esqueletos de soldados americanos mortos na Guerra da Secessão (1861-1865). Na época não havia antibióticos. Muitos feridos em combate morriam de infecções.

A maioria dos antropólogos ainda parece estar
influenciada pelo mito do bom selvagem


O passo seguinte de Churchill foi descobrir a causa provável da fratura. Ele recorreu às técnicas da arqueologia experimental, que tenta redescobrir técnicas do passado (com experiências como testar formas de lascar pedras para fazer pontas de facas e lanças). Churchill e sua equipe passaram uma tarde usando uma besta (um arco mecânico de precisão) para disparar dardos contra carcaças de porcos, cuja caixa torácica tem dimensões semelhantes à dos neandertais. O arco foi calibrado para simular o impacto de várias distâncias. O projétil era um dardo de bambu de 1,20 metro, armado com pontas de pedra lascada, como as dos neandertais, ou mais refinadas e afiadas, como as usadas por humanos há 50 mil anos. Os disparos variaram em angulação. Alguns foram diretos, em ângulo reto. Outros seguiram trajetórias balísticas.

Depois de limpar as carcaças, a análise das fraturas nos porcos evidenciou diversos padrões de ferimento. Os impactos a curta distância com as pontas rudimentares, simulando uma pesada lança neandertal, provocaram lesões profundas em diversas costelas – nunca numa única. Os impactos com pontas mais afiadas, simulando uma lança humana, também causaram lesões extensas. Apenas quando se calibrou o arco para simular disparos a maiores distâncias é que as fraturas nos porcos começaram a ficar menos severas, mais parecidas com a fratura de Shanidar 3. Ainda assim, impactos em ângulo reto provocavam lesões graves. Os únicos disparos que produziram fraturas semelhantes à de Shanidar 3 foram feitos a longa distância em trajetória balística, acertando o alvo num ângulo de 45 graus. Churchill concluiu que o ferimento de Shanidar 3 só poderia ter sido causado pelo disparo de um lançador de dardos – arma exclusiva do arsenal humano. “Só existe uma espécie com o tipo de arma capaz de infligir aquele ferimento. Somos nós.”

O estudo de Churchill ressuscita uma séria questão sobre a responsabilidade pela extinção dos neandertais. Para a maioria dos antropólogos, os neandertais desapareceram porque não conseguiram competir conosco pela obtenção dos recursos naturais. Nossos ancestrais caçavam com mais eficiência. Churchill pertence a um grupo que acha que o homem moderno saiu da África como o maior dos predadores. Ao invadir a Europa, a Ásia, a Austrália e as Américas, o Homo sapiens rapidamente caçou à extinção mamutes, cangurus-gigantes, mastodontes e preguiças-gigantes. Teria feito o mesmo com os neandertais? “Não estou sugerindo que foi uma guerra relâmpago, com os homens marchando pela terra e executando os neandertais”, diz Churchill. “A melhor explicação para a fratura de Shanidar 3 é o disparo de um projétil, o que demonstra pelo menos um ato de agressão entre as espécies. Nossos ancestrais contribuíram para a extinção dos neandertais e da megafauna. Mas não foram os únicos responsáveis. As mudanças climáticas dos últimos 50 mil anos também cobraram seu preço.”

FONTE: Revista Época - ciência e tecnologia



sábado, 13 de fevereiro de 2010

QUANTO GANHA UM PRESIDENTE DA REPÚBLICA?


Você tem alguma curiosidade a esse respeito? Bem, não sei se você já se perguntou isso... Por via das dúvidas, aqui está a resposta, ok?!

Evo Morales tem o menor salário entre presidentes do continente

Salário do boliviano é de pouco mais de Us$ 1.8 mil mensais. No topo do ranking está o mandatário estadunidense, Barack Obama, com Us$ 33 mil por mês.



O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ocupa o topo do ranking dos presidentes com melhores salários do continente americano, recebendo mensalmente US$ 33 mil. No outro extremo da tabela está o presidente da Bolívia, Evo Morales, que recebe pouco mais de Us$ 1.8 mil.

O presidente que possui o segundo maior salário é Álvaro Colom, da Guatemala. Apesar do país ter pouco menos do que 12 milhões de habitantes, Colom recebe pouco mais de US$ 18 mil. Em terceiro aparece a presidenta do Chile, Michele Bachelet, com cerca de Us$ 13 mil mensais. O Lula é o sétimo, recebendo pouco mais de Us$ 6 mil.

Evo Morales, ao assumir a presidência em 2006, adotou uma política de austeridade fiscal e diminui o seu salário em mais de 50%, reduzindo assim o salário de praticamente todo o quadro estatal. Há época, o governo boliviano afirmou que todo o recurso economizado com esta redução seria aplicado para aumentar o salário dos professores públicos.

Fonte: Brasil de Fato - Vinicius Mansur
Radioagência NP
La Paz (Bolívia)



MANDELA - 20 ANOS DE LIBERDADE

wikimedia commons
Os sul-africanos comemoraram, nesta quinta-feira (11/02), o 20º aniversário da libertação do líder negro Nelson Mandela.
O evento, após 27 anos de prisão, é considerado um marco para o fim do regime de apartheid na África do Sul.


Na época, o país estava à beira de uma guerra civil, com confrontos constantes entre o governo de minoria branca e a maioria de população negra.
Hoje, aos 91 anos, Mandela raramente faz aparições em público.
______

«Foi o princípio do fim da indignidade», estas, foram as palavras ditas na manhã do dia 11 pelo arcebispo Desmond Tutu, num comentário à libertação de Nelson Mandela, que aconteceu nesta terça-feira.

A decisão de libertar Nelson Mandela foi anunciada por Frederik de Klerk e colocou um ponto final a mais de 27 anos na prisão.


De mão dada com a então mulher, Winnie, os primeiros passos em liberdade de Nelson Mandela foram acompanhados e aplaudidos por uma multidão no local e em directo por todo o mundo.

Era o caminho para a liberdade, um caminho difícil cuja meta não se atinge sozinho.

Sem rancor, Nelson Mandela apelou à reconciliação, democracia e igualdade. Foi eleito o primeiro presidente negro da África do sul, e no discurso de posse, renovou a mensagem de toda uma vida – que haja justiça, paz, trabalho, pão, água e sal, para todos.

Recebeu mais de 250 prémios, entre eles o Nobel da Paz. Mudou a história e o mundo. A luta contra a SIDA tem sido agora, uma das batalhas, depois de ter perdido há 5 anos, o único filho, vitima de SIDA.

Com 91 anos, Nelson Mandela é o mais amado dirigente mundial. Como dizia Peter Gabriel, se o mundo pudesse ter apenas um pai, nós escolheríamos Nelson Mandela.

ASSISTA UM VÍDEO SOBRE O ASSUNTO NO FINAL DA PÁGINA!


Fontes:
BBC Brasil
TSF Rádio Notícias - Portugal


FRASES FAMOSAS

FRASES FAMOSAS
No site Frases Famosas tem uma infinidade de frases históricas. Sempre é muito bom lembra-las, muitas vezes são até oportunas. Tem também algumas pérolas e frases de famosos da atualidade. É SÓ CLICAR NA IMAGEM!